Saturday, December 5, 2020
Notícias de Caruaru e Região


Givaldo Bado do Caiucá em Entrevista a nossa redação Declara sua Pré-Candidatura a Vereador por Caruaru 2020 pelo partido “REPUBLICANOS” o qual consolida-se apoio ao Deputado “LESSA” a prefeitura de Caruaru

Nossa redação entrevistou Givaldo Bado, pois o nome dele aparece nas intenções de votos na cidade de Caruaru como possível…

By ADMIN , in Sem categoria , at 7 de dezembro de 2019

Nossa redação entrevistou Givaldo Bado, pois o nome dele aparece nas intenções de votos na cidade de Caruaru como possível pré-candidato a vereador e o mesmo conversou com nossa equipe.

Vamos conhecer um pouco o possível pré-candidato a vereador por Caruaru Givaldo Bado.

Micro-Empresário de 58 anos, residente no Bairro do Caiucá desde o começo da década de 70, natural de Limoeiro Pernambuco, casado, tem um filha. Segundo “Bado”, está pelo Caiucá, quando o Bairro ainda se formava, era um loteamento de José Carlos e foi por muito tempo chamado de Bairro São Francisco, época, onde o comércio do couro era muito próspero em Caruaru e diversas fabriquetas de sapatos e bolas se espalhavam por toda cidade e existiam no caiucá diversos curtumes, eles preparavam (curtiam) o couro cru e distribuíam não só pelas fábricas de Caruaru como também por outros estados do Brasil que confeccionavam sapatos. Nessa época a feira de Caruaru já tomava uma grande proporção de conhecimento em todo o mundo, o artesanato e o barro do Alto do Moura faziam Caruaru aparecerem, as olerias de telhas e tijolos manuais de fabricação artesanal, a beira dos córregos também crescia, fabricas de fundos de quintal de bolo de feira, como também de doces e balas, se expandiam com muita grandeza e tornava o comércio de caruaru cada vez mais competitivo. Caruaru veio conhecer as confecções de sulanca muito tempo depois, mais barões do couro se estabeleceram naquela época e construíram castelos de riquezas através da indústria de sapatos, como posso exemplificar a Indústria de calçados e sandálias “Anusca Calçados” fabricavam no Bairro São Francisco e tinha loja física no centro da cidade.

Eu, Givaldo Bado, com pouco mais de nove anos, já mim desenvolvia em relação ao comércio informal, como por exemplo, fui camelô por muito tempo para ajudar no sustento da casa, vendia sandália todo sábado, dia de feira na calçada das “Casas Zé Araújo”, famosa casa que vendia cortes de tecidos, pois foi uma época que não se comprava vestuário pronto. Para fazer uma roupa, tinha que comprar um corte de tecido e procurar os famosos alfaiates ou costureiras, e lembro que nos finais de ano, esses profissionais eram muito cogitados, pois era um tempo de confraternizações e todos queriam participar da famosa festa do comércio de Caruaru com uma roupa nova. Lembro também das badaladas exposições de animais que eram realizadas no “Campo de Monta”, hoje Parque 18 de maio. Também posso pontuar os festejos juninos que começaram na Rua três de maio e se estenderam por toda cidade tornando-se hoje a festa mais popular do mundo, onde deu o título a caruaru como a “Capital do Forró”. Eu, ainda menino, fiz um pouco de tudo para ganhar um dinheirinho: Fui vendedor de tapioca; Dudu; balas; as antigas estatuetas de gesso de significado “jornaleiro”; ” Samaritanas “e também fui proprietário de um banquinho de doces e pipocas na esquina da calçada da antiga “CIBRAZÉM” hoje Cazanova da Rua Preta, que para quem se lembra dessa época ficava em frente do “SESI”.

Fui aluno da Escola municipal Augusto Tabosa, passei pelo exame de Admissão para 5º série, onde estudei no Felisberto de Carvalho, Escola reunidas do Caiucá, hoje “Elizete Lopes”, onde concluí minha 8ª série, e meu 1º e 2º graus foram concluídos na Escola Estadual Nicanor Souto Maior, ainda na direção do saudoso diretor Sidrak Vila Nova. E por fim, com muito esforço e quase sem nenhum dinheiro, portador do crédito educativo terminou meu estudo universitário, onde mim formei em filosofia, na instituição de ensino Fafica, sendo portador do Diploma de História. É por aí… Tenho muita história ainda para ser contada, digo a todos em tom de brincadeira que conheço até as pedras que foram colocadas no sentido de dar progresso a meu Bairro, o Caiucá, e acompanhei diversas fases do progresso de Caruaru, na esfera política, fui funcionário da Câmara municipal, exercendo a função de administrador do anexo da Câmara, por uma média de oito anos, e hoje sou pequeno comerciante no bairro do Caiucá.

Como a pergunta é se serei candidato.

A resposta é que hoje não tem nada definido ainda, pois dependerá das convenções, mais as pessoas da comunidade, estão falando que sobre essa possibilidade. Hoje posso afirmar que sou pré-candidato!

E como conhecedor dos problemas da minha cidade o Bairro do Caiucá onde eu resido desde o momento que pisei na Capital do Agreste, conheço a necessidade, e posso dar como exemplo falta de vontade dos governantes em desenvolver projetos que traga escola, UPA, parques, praça, creches, tem ruas que ainda falta sanear, calçar, iluminar, Falta também transporte escolar para as crianças que estudam em outros bairros, é realmente um bairro totalmente desassistido pelo poder público municipal, e como isso é direito do cidadão, senti a vontade de desenvolver e demonstrar projetos que através de um voto de um parlamentar possamos conquistar tudo isso, e desde já coloco realmente a disposição dessa comunidade meu nome como pré-candidato a vereador por Caruaru, para que principalmente possa lutar pelo Bairro do Caiucá, e periferias da cidade, trazendo junto ao órgão público esses direitos que estão faltando para o cidadão de nossa comunidade. Sou sim Pré-candidato a vereador em 2020 e conto com todos para que possamos juntos lutar por melhores dias para nossa comunidade.

www.mudacaruaru.com.br

Compartilhar isso...
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter